quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Zum zum zum...

Será?...

Possível zum zum zum sobre um tal processo que poderá decidir algumas mudanças na representação popular... Onde?... Sei lá... Pode ser só um zum zum zum...
Esperemos pra ver se procede.... !!!

SENAR Rio Grande do Norte inicia credenciamento de educadores




 
Nesta sexta-feira (01), o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – SENAR do Rio Grande do Norte lança edital de credenciamento para educadores prestadores de serviço. O processo se estenderá até o dia 22 de fevereiro e abrange diversas áreas da Educação Profissional Rural.

Nessa primeira fase, os interessados deverão acessar o site: www.senarrn.com.br, onde encontrarão todas as informações necessárias para seu credenciamento disponíveis no edital. Em posse da documentação, o candidato deverá entregá-la na sede do SENAR-RN, localizada na rua Dom José Tomaz, 995, no bairro do Tirol (Próximo a TV Tropical e a Destaque Promoções), aos cuidados de Eider Cortez, no setor Técnico.

De acordo com o superintendente do SENAR-RN, Luiz Henrique Paiva, depois de concluída as etapas de análise e seleção da documentação dos candidatos, todos os selecionados considerados aptos, serão comunicados. “Esse credenciamento é fundamental para atendermos as demandas dos parceiros, bem como as metas do Pronatec”, ressalta o superintendente.

Cursos começarão em março

“Os cursos terão início, provavelmente, a partir da primeira semana de março. Lembramos também, que os aprovados no credenciamento, serão convocados de acordo com a demanda solicitada por nossos parceiros”, finaliza Paiva.

Para maiores informações: 
(84) 3342-0200
www.senarrn.com.br


Fonte: http://www.cenariomt.com.br/noticia.asp?cod=266327&codDep=6

Vacina contra Aids vai ser testada em humanos na França


Pesquisadores começarão durante as próximas semanas a realizar testes clínicos de uma vacina contra a Aids, na cidade Marselha, sul da França, contendo 48 voluntários que são soropositivos. O professor Erwann Loret anunciou isto durante a terça-feira (29).
Loret diz que não será o fim da Aids, mas é esperado que os cientistas possam substituir os coquetéis com antirretrovirais, que tem diversos efeitos colaterais sobre os pacientes e gera muitos incômodos.
O professor diz que o alvo é uma proteína que é chamada de Transativador de transcrição viral (Tat), que apresentou o teste autorizado pela Agência Nacional de Segurança do Medicamento (ANSM) no dia 24 de janeiro em um hospital da cidade de Marselha.
Em soropositivos, esta proteína tem a função de ser o guarda-costas de células que foram infectadas. Dessa forma, o organismo não vai conseguir que ela seja reconhecida, e dessa forma não poderá neutralizá-la, o que a vacina busca reverter.
Os pacientes que vão participar serão vacinados três vezes, com intervalo de mês entre as doses. Logo após, eles devem terminar o tratamento de coquetéis por dois meses.
Caso depois desse tempo, a taxa de vírus no sangue não for mais detectada, então o estudo vai cumprir critérios que o órgão das Nações Unidas focado no combae à Aids (OnuAids) estabeleceu, apontou Loret.
Se houver sucesso, 80 pessoas vão participar dos testes e metade vai tomar a vacina e outra apenas um placebo. Os cientistas vão alertar, no entanto, que vão ser necessários diversos anos para que se saiba se a vacina é realmente um avanço ou não.
Entre 25 a 26 testes de vacinas anti-HIV estão sendo realizados no planeta atualmente, apontou o professor Jean-François Delfraissy, que dirige a Agência Nacional de Pesquisas sobre a Aids (ANRS) na França.
Mesmo que seja animador, o anúncio vai exigir cautela apontou o professor, pois é necessário que haja prudência entre as mensagens que transmitimos para os pacientes e para o grande público. A presidente regional da associação francesa de combate à Aids (AIDES) Marie Suzan, também aponta que é necessário aguardar para ver o que irá acontecer com estes testes.
Fonte:http://www.noticiasbr.com.br/vacina-contra-aids-vai-ser-testada-em-humanos-na-franca-94818.html

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

SINTSERP: Atenção!

SINTSERP: Atenção!: Atenção Servidor! O prazo para entrega dos documentos do processo que reivindica 1/3 da jornada é até a próxima quinta-feira, 31 de janei...

Prefeituras são principais parceiras do Brasil sem Miséria, diz ministra


Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Ao fazer um balanço do Plano Brasil sem Miséria durante o Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, disse hoje (29) que as prefeituras são as principais parceiras da iniciativa.
“Tivemos hoje uma oportunidade grande de mostrar para cada prefeito, para cada gestor municipal, que é possível construir o Brasil sem Miséria no seu município, para terem isso como uma das metas importantes da gestão municipal”, explicou.
Tereza ressaltou a importância de que cada prefeito insista na realização da busca ativa e na ampliação do cadastro único. Para ela, o governo federal vai conseguir alcançar a meta de retirar da extrema pobreza as 2,5 milhões de famílias brasileiras que permanecem nessa situação.
“Conseguimos, em menos de dois anos de Brasil sem Miséria, tirar 19,5 milhões de pessoas que estavam no Bolsa Família ainda em situação de extrema pobreza. O compromisso da presidenta Dilma [Rousseff] é, até o final do seu mandato, construir um Brasil sem miséria. Estamos convencidos de que esse caminho é possível. E vamos fazer isso junto com os municípios.”
Em relação às críticas de que a burocracia dificulta a chegada de investimentos às prefeituras, a ministra avaliou que todos os recursos do Brasil sem Miséria são repassados de forma automática e imediata.
“Os recursos são repassados de fundo a fundo no caso da assistência social. Não existe convênio, burocracia. É uma ação do governo federal em parceria com os municípios.”
Sobre a tragédia que matou pelo menos 231 pessoas em Santa Maria (RS), Tereza destacou que o governo está atuando sobretudo na área de saúde, mas que qualquer família que esteja em situação de vulnerabilidade terá o apoio da rede de assistência social local.
“Em especial para mim, que morei 16 anos no Rio Grande do Sul, é uma situação que ninguém imagina que vá acontecer”, disse. “Estamos prestando toda a solidariedade”, completou.

Edição: Lílian Beraldo
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-29/prefeituras-sao-principais-parceiras-do-brasil-sem-miseria-diz-ministra

domingo, 27 de janeiro de 2013

O Brasil de luto por Santa Maria: 233 jovens mortos no incêndio da boate Kiss


Trancados na casa noturna, 1.500 pessoas ficaram entre o fogo, a fumaça e a saída obstruída pelos seguranças. Sobreviventes relatam momentos de pânico e de despreparo da casa noturna

Familiares durante o velório das vítimas do incêndio em Santa Maria, no Rio Grande do Sul
Familiares durante o velório das vítimas do incêndio em Santa Maria, no Rio Grande do Sul - Neco Varella/EFE
O maior desastre da história do Rio Grande do Sul, o segundo incêndio em número de vítimas no Brasil. O país amanheceu de luto, chocado com a morte de duas centenas de jovens, numa contagem que revelava-se mais dramática à medida que as horas do domingo avançavam. Na soma do início da noite, de acordo com números oficiais, havia 233 óbitos confirmados no incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, cidade a 320 quilômetros de Porto Alegre. A noite de diversão de jovens – parte deles menor de idade – de cursos e faculdades da cidade universitária transformou-se em uma catástrofe em questão de minutos: os fogos de artifício de uma banda que se apresentava no local encontraram o material altamente inflamável do isolamento acústico da casa noturna. A fumaça matou a maioria das vítimas por asfixia, poucas por queimadura. Para o acidente ganhar esta dimensão, foi determinante uma sequência de erros e despreparo. A boate com apenas uma saída de emergência, estreita, estava com alvará vencido, e os seguranças, pelo que relataram os sobreviventes, tentaram impedir a saída dos frequentadores, pensando que ocorria uma briga no momento do pânico.
Foram instantes de desespero, no cenário dantesco que costuma ser deflagrado por esse tipo de incidente. As equipes de resgate que chegaram ao local precisaram derrubar paredes para resgatar vítimas com vida; e, no trabalho de rescaldo do incêndio, bombeiros encontraram o que foi descrito como “uma barreira de corpos”. Ainda pela manhã, a contagem era de cerca de 40 mortos. Conforme as brigadas vasculhavam o local, eram encontrados mais mortos. Outros faleceram nos hospitais. Ainda havia no início da noite, segundo informações do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, 91 pacientes internados. Trinta deles respiravam com ajuda de aparelhos.
A presidente Dilma Rousseff interrompeu sua agenda no Chile, onde acontecia a Cúpula de chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia (UE). Dilma desembarcou na pequena Santa Maria para levar solidariedade e medidas de apoio aos sobreviventes e às famílias de todas as vítimas. Acomunidade internacional manifestou condolências tão logo a repercussão do episódio ganhou os sites e telejornais de várias partes do mundo.
As dimensões da tragédia contrastam com a banalidade das causas. E trazem uma necessária reflexão: as fotos mostram que a boate Kiss não era um “cafofo”, mas uma casa noturna com capacidade próxima de 1.000 pessoas - a lotação da casa foi, provavelmente, desrespeitada. Na boate, os jovens e seus pais certamente julgavam haver alguma segurança. Não havia. Como também certamente não há instalações e pessoal adequados em uma infinidade de estabelecimentos que se multiplicam Brasil afora. O risco dos materiais inflamáveis e da presença de fogos de artifício em locais fechados está comprovado por um histórico de pelo menos seis grandes tragédias recentes em boates de várias partes do mundo.

Incêndios causados por shows de pirotecnia em boates

A formúla das tragédias: ambientes fechados, material inflamável e fogos de artifício

1 de 7

Chicago, 2003

Pelo menos 21 pessoas morreram, em fevereiro de 2003, durante um incêndio na boate E2 Nightclub Stampede, em Chicago. A origem do fogo, que rapidamente se alastrou pela casa noturna, foi um show pirotécnico. 
Como se sabe, em um incêndio, grande parte dos mortos perde a consciência e morre em função da fumaça inalada, e não necessariamente do contato com as chamas. Um vídeo gravado momentos após a retirada dos primeiros corpos mostra corpos sem sinais de grande trauma. Foram pessoas que simplesmente não tiveram para onde fugir no momento da expansão da nuvem de fumaça preta que rapidamente preencheu a boate a partir do instante em que um dos músicos soltou o que, pelos relatos, seria um sinalizador – um pequeno projétil incandescente usado, por exemplo, em embarcações. Outros tantos morreram pisoteados, esmagados pela multidão que se espremia na minúscula saída da casa noturna.
O depoimento de um dos sobreviventes, feito pelo Facebook, é assustador. "Acompanhei o início do fogo que veio das faíscas do sparkles e se propagou pelo teto nas esponjas do isolamento acústico. Não me apavorei porque não achei que poderia lidar com a situação, mas vi muita gente entrar em pânico, cair e desmaiar umas por cima das outros, era um mar de gente atirada. Vi que muita gente em crise acessou a porta mais próxima, que era a do banheiro e se alojaram lá dentro. Vi pessoal que trabalhava se escondendo até dentro de freezers! Quando vi que não tinha mais jeito de sair pela saída principal dei a volta na areá vip e sai pela lateral empurrando e pisando por cima de muita gente, acredito que não sairia se não fosse pela força que utilizei para passar pelas pessoas, ao sair olhava para baixo e via que pisava e cruzava por cima de mulheres e homens desmaiados”. O relato é de Ezequiel Real, um morador de Santa Maria. Segundo ele, havia um mesa colocada por seguranças para impedir a saída descontrolada do público.
A fotógrafa Fernanda Bona, que trabalhava para a casa noturna, registrava o show, a área VIP e fazia retratos para alimentar sites de vida noturna. Acabou registrando os primeiros instantes do incêndio. Ela descreveu para o site de VEJA a evolução do que parecia um pequeno problema para uma situação de catástrofe “Vi que a banda soltava umas faisquinhas, como se fossem foguinhos de artifício. Foi, então, que percebi a fumaça. Em seguida, as pessoas começaram a correr e a gritar fogo”, contou Fernanda. “Saí correndo desesperadamente. Empurrei as pessoas na ânsia de chegar à porta. Demorei uns três minutos para estar no lado de fora. As pessoas estavam enlouquecidas correndo”, afirmou a fotógrafa.
As faisquinhas a que se refere Fernanda eram parte do show da banda Gurizada Fandangueira, que fazia dos efeitos de pirotecnia um atrativo a mais para as apresentações. A página da banda no Facebook traz a seguinte descrição, na apresentação do grupo: “Com a grande experiência comprovada em bailes e shows, demonstra além de todo seu talento, muita inovação em estrutura, efeitos visuais e pirotécnicos, os quais fazem toda a diferença na identidade exclusiva da banda”.
A mistura de fogos de artifício – mesmo de pequeno porte – com o isolamento acústico foi mortal. Depois do desespero na boate, o centro nervoso da tragédia passou a ser o ginásio do Centro Centro Desportivo Municipal. No chão, sobre o peito de cada uma das vítimas, uma identidade, uma carteira de habilitação ou um celular colocados por integrantes do Centro de Gerenciamento de Crise para tentar facilitar a identificação dos mortos. No início da tarde, quando o ginásio foi aberto para dar início ao procedimento de identificação das vítimas, foi através do toque do celular dos filhos, irmãos e netos, que os parentes confirmaram a pior notícia: a confirmação da morte. Segundo voluntários, a cada toque, um choro de desespero silenciava o ginásio.
“A gente escutava os celulares tocando dentro do ginásio e o choro dos pais e familiares”, contou Carlos Walau, ao Zero Hora. “Tirei o corpo de uma menina que estava com um celular que não parava de tocar. Em seguida, deu barulho de mensagem, li e era a mãe dela perguntando onde ela estava”, contou com a voz embargada Carlos, que ajudou no trabalho de identificação dos corpos.
No local, uma fila de corpos de adolescentes e jovens aguarda reconhecimento pelas famílias. Em número de vítimas no Brasil, o incêndio da boate Kiss só é superado pela tragédia do Gran Circus Norte-Americano, em Niterói, no estado do Rio, quando em 1961 o fogo levou 503 vidas e deixou uma centena de pessoas com sequelas e mutilações. Até hoje na cidade há relatos dramáticos de parentes de vítimas, sobreviventes ou gente que, de alguma forma, teve a vida modificada pelo episódio. É provável que Santa Maria também jamais volte a ser a mesma.
(Com reportagem de Cecília Ritto, Marcela Donini, Luís Bulcão e Pâmela Oliveira)
Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/o-brasil-de-luto-por-santa-maria-233-jovens-mortos-no-incendio-da-boate-kiss

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Comitês de Diversidade Religiosa querem combater intolerância com diálogo


No Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, dia 21 de janeiro, foi realizada a V Marcha pela Vida e Liberdade Religiosa, pelo Centro Histórico de Porto Alegre | Foto: Divulgação/PGE

Rachel Duarte

Os governos federal e do Rio Grande do Sul pretendem enfrentar a intolerância religiosa no Brasil com a criação de Comitês de Diversidade Religiosa. A intenção é reunir os representantes das diversas manifestações de fé (e de não-crença também, na forma dos ateus) para discutir formas de proteção contra violação dos direitos humanos de fundo religioso. O Comitê de Diversidade Religiosa foi lançado nesta segunda-feira (21), pela própria ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário. O ato foi conjunto com o governo gaúcho e realizado no Palácio Piratini.

De acordo com a diretora de Direitos Humanos da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), Tâmara Soares, o decreto de criação do Comitê de Diversidade Religiosa assinado por Tarso Genro já vinha sendo discutido há seis meses. Algumas representatividades religiosas foram convidadas para este diálogo, entre eles, os evangélicos e religiosos de matriz africana. “Criamos também um GT para os Povos de Terreiro. Eles estão com 80 terreiros ameaçados com as obras da Copa do Mundo”, fala.

O foco serão as denúncias de violências contra pessoas praticantes de religiões e lugares de religiões, o que já vem acontecendo com os evangélicos no RS, afirma a diretora. Ela salienta ainda que a composição do comitê será feita pela inscrição livre das religiões interessadas. Nos próximos 30 dias, todos os interessados em participar devem manifestar o interesse ao governo estadual. “Nos sugeriram que deixássemos o processo em aberto para que as religiões pudessem se manifestar livremente. Se nós fossemos listá-las dificilmente conseguiríamos alcançar a pluralidade”, explica.

Assinatura do Comitê de Diversidade Religiosa do RS contou com presença de ministra Maria do Rosário | Foto: Raffaela Monteiro/PGE

Existem, no entanto, críticas ao modo como os comitês foram constituídos. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea), Daniel Sottomaior, a iniciativa federal está sendo sobreposta a outra já em desenvolvimento junto a Secretaria Nacional de Direitos Humanos. “Foi um relançamento, porque já existe um comitê, do qual nós fazemos parte. Ficamos sabendo da criação deste novo faz dois dias. Foi algo abrupto e que gerou aborrecimentos com outras representatividades”, fala, citando a manifestação da comunidade budista contra a criação de um novo comitê.

Sottomaior fala que o organismo já funcionava no âmbito federal de forma a garantir a presença dos ateus e outras entidades que geralmente não são bem recebidas em fóruns religiosos. “Cobrávamos há tempos a nomeação dos integrantes via portaria e agora somos surpreendidos com um edital para seleção dos representantes que estarão neste novo comitê. Eu só posso pensar que há alguma necessidade política que nós não estamos sabendo. Até porque, no programa que nós vínhamos discutindo, não estava prevista a concessão de passaporte diplomático para evangélicos”, critica o representante ateísta. Na visão de Sottomaior, a composição dos futuros organismos acabará sendo balizadora de sua eficiência.

Evangélicos tem GT e assessoria especial no governo gaúcho

O segmento evangélico compreende quase 25% dos brasileiros. Em 2030, segundo projeções do censo do IBGE, a comunidade evangélica alcançará o mesmo número de católicos. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a religião tem espaço no governo de Tarso Genro: desde o início de sua gestão funciona junto ao gabinete do governador uma Assessoria de Assuntos Evangélicos. O responsável, pastor Ederson Fernandes, explica que trata-se de um espaço para tratar “das demandas evangélicas junto ao estado”.

“Assinamos no mês passado (dezembro de 2012) um decreto para instituir um Grupo de Trabalho de pastores evangélicos para discutir mais efetivamente as questões junto ao governo”, salientou. A principal parceria, segundo ele, se dará na promoção de ações de combate às drogas, linha de frente onde evangélicos atuam tradicionalmente. O pastor afirmou ao Sul21ainda não estar plenamente inteirado do Comitê de Diversidade Religiosa gaúcho.
“Estamos cientes de que, muitas vezes, algumas religiões são justificativa para violência ou discriminação”, diz diretora da SJDH-RS | Foto: Divulgação/PGE

Israelitas foram primeiros a manifestar interesse nos comitês

A Federação Israelita do RS se diz entusiasmada com a iniciativa e buscará assento para o judaísmo nos dois comitês. “Nós nos colocamos à disposição da ministra (Maria do Rosário) e do secretário de Justiça e Direitos Humanos do RS (Fabiano Pereira). Nós já fazemos um trabalho social junto às comunidades e temos raízes comuns com o cristianismo, é extraordinário podermos ter um órgão que promova o conhecimento de todas as religiões”, afirma.

Segundo Cardoni, o respeito à diversidade religiosa já é um princípio dos israelitas. “A maioria dos princípios das diferentes religiões são comuns. Termos um órgão oficial para discutirmos a intolerância sempre foi nosso desejo. A maior fonte de preconceito é a ignorância, temos que dialogar”, fala.

Para o pastor evangélico Ederson Fernandes, a laicidade do estado não estará ferida com a criação de um organismo de diálogo inter-religioso. “O estado é laico. Então todos têm o direito a suas práticas e ao diálogo”, salienta.

Algumas discriminações a grupos sociais muitas vezes são motivadas pelos dogmas religiosos, o que também será discutido no Comitê de Diversidade Religiosa do RS, garante a diretora Tâmara Soares. “As práticas religiosas fomentadas em diferentes tradições tem que ser pautadas pelo respeito ao outro de professar ou não sua religião e exercer sua liberdade. Não será função do estado interferir nestas práticas, mas orientar sobre uma prática comum de respeito para com o outro. Estamos cientes de que, muitas vezes, algumas religiões são justificativa para violência ou discriminação”, diferencia a diretora.
Segundo presidente da Atea, comitês podem servir tanto ao “bem quanto ao mal” | Foto: Arquivo Pessoal

“Comitês para lutar pela laicidade geram problemas políticos”, crítica Atea 

A representatividade do futuro Comitê de Diversidade Religiosa do RS não deverá ultrapassar 50 pessoas. Não haverá duplicidade de membro de uma mesma religião dentro do comitê. A divisão dos trabalhos será por comissões temáticas, que trabalharão periodicamente, e serão promovidas reuniões bimestrais com todo o pleno do Comitê para debater assuntos de forma mais ampla.

Já o Comitê de Diversidade Religiosa nacional ainda será formatado pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos. Uma reunião para discutir o formato foi realizada nesta terça-feira (22), em Brasília, mas até o fechamento desta matéria o Sul21 não teve retorno do governo federal sobre o tema.

Na avaliação do presidente da Atea, Daniel Sottomaior, um comitê que lute pelo estado laico é um problema político para os governos, por isso não conta com a participação dos atores que podem ‘ir muito longe’ nos debates sobre religião e laicidade. “Porque o agente que fere a laicidade é o próprio estado. É dar um tiro em si mesmo. O problema é que a bancada religiosa gera leis em seu benefício e que violam a laicidade do estado recorrentemente. Então, estes comitês podem ser usados tanto para o ‘bem’ como para o ‘mal’. Tememos que eles sirvam para entranhar os interesse religiosos do estado. Mas não podemos julgar de antemão. Temos que esperar para ver a linha que os governos darão”, ressalva.

Fonte:http://www.sul21.com.br/jornal/2013/01/comites-de-diversidade-religiosa-querem-combater-intolerancia-com-dialogo/

Sesc-RN - Vagas imediatas e cadastro para todos os níveis


O Serviço Social do Comércio do Rio Grande do Norte (Sesc-RN) realiza processo seletivo para contratação imediata e formação de cadastro de reserva de profissionais em todos os níveis de escolaridade. Os vencimentos variam de R$678 a R$4.068, de acordo com o cargo escolhido.
 
Os interessados têm até o dia 21 de janeiro para enviarem seus currículos através do endereço eletrônicorhrn@rn.sesc.com.br, com a indicação do cargo pretendido no título do e-mail, endereçado ao Setor de Pessoal do Sesc-RN.
 
Ao todo, estão em oferta 16 vagas imediatas, sendo oito para garçom e três para salva-vidas, ambos com exigência de nível médio. Já as funções de motorista, instrutor de trabalhos manuais, nutricionista, técnico em edificações e tecnólogo em construção de edificações, foram contempladas com uma vaga cada.
 
Também será formado cadastro de reserva para os cargos de assistente administrativo, assistente social, auxiliar de copa e cozinha, auxiliar operacional, engenheiro, instrutor de corte e costura, jornalista, nutricionista, odontólogo, oficial de manutenção e professor de Educação Infantil.
 
Os candidatos poderão ser convocados durante a validade do concurso, de um ano, podendo ser prorrogado por igual período. Os aprovados serão lotados nos municípios de Mossoró, Caicó, Natal, Macaíba, Nova Cruz e São Paulo do Potengi.

Fonte:http://www.folhadirigida.com.br/fd/Satellite/concursos/noticias-SescRN-2013-16-vagas-2000034206973/Vagas-imediatas-e-cadastro-para-todos-os-niveis-2000034211623-1400002102880  

Anexos

TítuloDataTipo
18/01/2013PDF
18/01/2013PDF

Atenção Concurseiros!!! Saiu edital para nível médio: prazo aberto! Até R$3.132 mensais


Saiu edital de concurso para a Petrobrás Distribuidora, voltado para o preenchimento de 44 vagas e formação de cadastro em cinco cargos do nível médio: técnico de administração e controle júnior (cinco vagas, nível médio simples e remuneração mínima de R$2.599,45), técnico de contabilidade júnior (duas vagas, curso técnico nível médio em Contabilidade e R$2.599,45), técnico de operação júnior (26 vagas, curso técnico profissional em diversas áreas e R$3.132,34), técnico de segurança júnior (sete vagas, curso técnico profissional em Segurança do Trabalho e R$3.132,34) e técnico de suprimento e logística júnior (quatro vagas, curso técnico de nível médio em Administração, Contabilidade, ou Operações Logísticas, e R$3.132,34 iniciais). As inscrições já estão abertas, a partir desta quinta, dia 24, e prosseguem até 21 de fevereiro, no site da Fundação Cesgranrio, organizadora da seleção. Para todos os cargos, a taxa é de R$35.
 
O concurso compreenderá a aplicação de provas objetivas sobre conhecimentos básicos e específicos, além de exame de capacitação física (somente para o cargo de técnico de operação júnior). As provas objetivas, marcadas para 14 de abril, serão realizadas nas cidades onde há oferta de vagas: Alto Taquari (MT), Barro Alto (GO), Bauru (SP), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), Campo Grande (MS), Caracaraí (RR), Cruzeiro do Sul (AC), Cuiabá (MT), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Ijuí (RS), Itabuna (BA), Itacoatiara (AM), Itajaí (SC), Maceió (AL), Marabá (PA), Natal (RN), Porto Nacional (TO), Porto Velho (RO), Presidente Prudente (SP), Ribeirão Preto (SP), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Santarém (PA), São José dos Campos (SP), São Paulo (SP), Teresina (PI) e Uberaba (MG). O concurso terá validade inicial de um ano, a contar da data de homologação do resultado final, que poderá ser prorrogada uma única vez e pelo mesmo período - o que permitirá um grande número de convocações.
 
Serviço

Exame de sangue que vê síndrome de Down em feto chega ao Brasil


Um exame de sangue destinado a mulheres grávidas para detectar anomalias nos cromossomos dos fetos começa a ser oferecido no Brasil. O teste, que será analisado nos EUA, pode ser feito a partir da nona semana de gestação e serve para identificar síndromes como Down, Klinefelter, Turner, Edwards, Patau e triplo X.
 
O resultado sai após uma comparação das cópias dos cromossomos do filho, da mãe e, se necessário, do pai. Cerca de 5% do DNA do feto circulante no sangue da mulher já é suficiente para observar possíveis alterações. A novidade foi noticiada nesta quarta-feira (23) pelo jornal "Folha de S.Paulo".
 
Segundo o obstetra Eduardo Cordioli, coordenador da maternidade do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, há 30 anos os casais já podem saber se seus filhos têm algum problema genético, por meio de um exame de ultrassom ou da coleta de líquido amniótico com uma agulha na barriga da mãe. O problema é que esse último procedimento é feito apenas a partir do quarto mês de gestação, é mais invasivo e tem 0,5% de chance de aborto – o que não acontece no novo teste.
 
"É como se fosse um hemograma simples e não existe nenhum risco. Quanto mais cedo os pais tiverem uma notícia dessas, mais tempo têm para se preparar, mudar de planos, informar-se, conhecer associações e crianças na mesma situação. É melhor saber antes do que ter uma surpresa", destaca o médico.
 
De acordo com ele, todo diagnóstico precoce facilita um eventual tratamento. Por isso, quanto mais cedo o obstetra souber que o bebê tem síndrome de Down ou outra anomalia cromossômica, pode acompanhar o desenvolvimento dessas alterações, planejar o parto e avisar o pediatra que cuidará da criança.

Fonte:http://www.correiodoestado.com.br/noticias/exame-de-sangue-que-ve-sindrome-de-down-em-feto-chega-ao-bra_172440/

Educação: Parada Nacional acontece em Abril



A CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação definiu que realizará durante o mês de abril, a Semana Nacional da Educação. A mobilização será focada na valorização dos profissionais em educação, sendo agendada também, uma parada de 3 dias. A Greve Nacional da Educação Pública será realizada nos dias 23, 24 e 25 de abril e terá como bandeira, a luta pelo "Piso, Carreira, Jornada e profissionalização dos funcionários da educação".
Com informações da CNTE.